▲ Eu e a praxe


No outro dia a ler um post da Imparfait reparei que nunca falei nas praxes de quando entrei para a faculdade.
Bem, eu pertenço à minoria dos que não foram à praxe. Quer dizer, eu fui um dia e depois nunca mais voltei por vários motivos.Não passei por nenhuma má experiência, o dia que fui até foi engraçado mas no geral aquilo para mim é ridículo.
- Primeiro, só podia se praxada se gastasse 15€ ou 20€ para comprar uma camisola, o 'penico' e mais não sei o quê, o que achei um exagero.
- Segundo, só podia ir às praxes faltando às aulas o que é uma estupidez. As praxes deviam ser feitas fora do horário das aulas para não prejudicar ninguém.
- Terceiro, o meu feitio. Ter de tratar pessoas que não são mais do que eu como se fossem o presidente da república para mim não dá. Eles exigem respeito mas não o ganham, pelo menos da minha parte. A maioria das pessoas que anda na praxe fá-lo para poder praxar no ano a seguir. Aceitam ser humilhados, porque é isso que são, para no ano a seguir fazerem o mesmo a outros.
- Quarto, dizem que a praxe serve para integrar os alunos. Serve para quê? A única coisa que vi foi a enorme divisão que criou na minha turma, porque quem foi praxado só se dá com quem foi também praxado e os outros ficam de fora. E porque razão não posso ir a jantares de curso se estou no curso? Se querem integrar os alunos não os excluam de actividades apenas porque não quiseram ser humilhados e andar ali a cumprir coisas ridículas.
- Quinto, só queria ir às praxes para trajar porque não sou pessoa para andar ali armada em superior e a humilhar os outros. E como não preciso de praxar para trajar nunca mais fui.


Isto, como é óbvio, é com base na minha faculdade, no que vivi, vi e ouvi. Haverá faculdade com praxes bem mais giras e interessantes como já tive conhecimento mas são casos raros. Assim como nem todos os praxantes são 'maus'. E claro depende do feitio de cada um.

With love, Emma

Comentários

Maria disse…
depende das faculdades mas há delas que não muito más :)
Concordo plenamente contigo!
por isso eu nunca fiz praxe

Bjxxx
A disse…
Eu também sou um bocado assim e por isso ainda não sei se vou querer ser praxada ou não. Não sabia que era preciso faltar a aulas para ir.
Aaricia disse…
Concordo com tudo o que disseste! Eu também só trajo.
Wendy disse…
Identifico-me contigo, por isso é que não sei se vou querer ser praxada. Vou no primeiro dia e se não me agradar, também não continuo.
Mel Pereira disse…
Eu fui praxada e adorei, foram os melhores tempos da universidade, se pudesse era praxada de novo. Nunca fui humilhada nem tive de tratar ninguém como se essa pessoa fosse superior a mim. Diverti-me imenso. Quando praxei nunca humilhei nenhum caloiro, nem o tratei mal, não faz parte do meu feitio rebaixar as outras pessoas. O principal motivo da praxe é integrar os novos alunos na comunidade escolar e é isso que acontece na universidade onde estudei. Também não conheço nenhum caso em que os alunos que optaram por não ser praxados tenham sido "postos de lado" ou excluídos. Quanto ao Kit Caloiro, na minha universidade custou 20 euros, é caro, principalmente porque só oferecia uma T-shirt e uma data de panfletos sobre a cidade, mas e uma recordação que guardamos dessa fase da nossa vida. Quanto a ter de faltar às aulas para ir à praxe, na minha universidade isso nunca aconteceu. Mas cada caso é um caso e cada universidade é uma universidade. :)
anya ♥ disse…
Concordei com tudo o que disseste. Eu até tinha ideia de trajar no início, mas comecei a perceber que isso tem mais piada qdo estás inserida num grupo, qdo te sentes mesmo dentro desse "espírito académico", como na minha faculdade não há turmas, não criei grandes laços com ninguém, por isso também não tinha ninguém para traçar a capa ou para simplesmente estar cmg... xD mas não me importei muito.
Z disse…
Na minha opinião devias ter dado mais alguns dias á praxe. Provavelmente foi um "choque" de 1º dia.
-Tudo bem que os kits de caloiro são um bocado puxados, mas é uma oportunidade única.
-Quanto ao faltar ás aulas, ninguém pode obrigar a faltar. É um direito de todos e os Doutores sabem muito bem disso.
-A hierarquia e respeito na praxe depende de cada um. Tanto pode haver caloiros e Doutores educados, como caloiros e Doutores mal educados.
-A principal razão da praxe é integrar os novos alunos. Não discordo com o facto de dividir turmas, porque é o que realmente acontece. Mas os Doutores não estão lá para vos fazer a vida negra mas sim ajudar-vos e integrar-vos numa nova família. Quanto aos jantares de curso, fala com os doutores do teu curso, de certeza que não te vão proibir de ires.
-Os alunos não deviam de trajar só por trajar. É preciso ter orgulho na academia a que pertences e realmente pertencer.

R: Muita paciência e muitos mimos sim senhora xD
Adriana disse…
Concordo contigo! Eu já decidi que não vou querer ser praxada, não tenho paciência para andar nessa vida a fazer de "cadela" de alguém. Principalmente se me calhasse alguém que se achasse superior e andasse ali a humilhar-me..era o que mais faltava :)
Madalena disse…
Eu concordo com muitas coisas que dizes aqui, na minha univ. não tive e comprar nada para ir às praxes, as praxes eram depois do horário das aulas e claro haviam veteranos maus e outros bons, o que equilibrava as coisas. não achei as praxes maravilhosas mas até nem desgostei muito, conheci melhor alguns dos meus colegas - o que ao inicio foi óptimo. outra coisa que gosto no meu curso é que não há essa divisão de quem foi às praxes e que não foi, há grupinhos (como em todo o lado) mas bom base nas pessoas com quem nos damos melhor e isso, outra coisa boa é que todos os alunos são avisados dos jantares de curso, dos convívios (mesmo que não seja para praxar) e de outras cenas do curso. Também praxei, mas no ano e que raxei foi tudo uma desgraça e só discutíamos uns com os outros daí eu ter parado de ir aos convívios e Às praxes.
imparfait2 disse…
Olaaaa obrigado pela publicidade :)
Quanto ao teu post, existem muitas coisas com as quais concordo contigo.
Na realidade eu acho que não é preciso nada destas coisas para conhecermos pessoas. Nunca foi porque é que na faculdade havida de ser?
Agora entendo que é uma tradição e tensiono experimentar e ir lá na boa, mas também não sei se ficarei até ao fim, ou se vou ser tolerante com muitas coisas.
Quanto ao facto de estarem lá a ser humilhados para dp poderem fazer o mmo aos outros acho ridículo, estúpido, infantil, e só mesmo de pessoas que gostam de ficar por cima dos outros, e falo contra a própria rapariga da qual falei no post, porque é mesmo isso que se passa. E acho que a ideia deve ser divertida e se me fizeram algo que eu não gostei certamente não vou querer fazer a outra pessoa.
Se muito boa gente revisse os seus valores, se calhar a praxe era vista de maneira diferente, sem tanta estupidez a mistura, e mais brincadeira saudável.

Beijinho
Depende de faculdade para faculdade.
Mas dependendo da praxe até acho bem divertido xD
IceQueen disse…
Concordo contigo. Também não fui praxada porque não tenho feitio para isso. Aliás, fui praxada no primeiro curso em que estive, do qual depois desisti, e aí percebi que não tinha feitio para a coisa. Achei aquilo ridículo e não me senti nada integrada. Só os mais sociáveis e festeiros é que se integravam, os outros continuavam na sombra...
sara disse…
concordo !
acho mesmo muito mau algumas das coisas que mandam fazer...
eu não gosto nada de ser humilhada e rebaixada.
como tu dizes, não são mais do que nós.
ritzz disse…
lá querida!
Convidei-te para receberes um selo no meu blog, espero que o faças e caso decidas mesmo fazê-lo, avisa-me para ler as respostas! :)
O link é este: http://run-your-world.blogspot.pt/2013/07/selo-versatile-blogger.html

Beijinho
Ana
ritzz disse…
Eheh ainda bem! Quando fizeres avisa-me:)
beijinho, Ana
Janny disse…
eu posso dizer que fui praxada e praxei numa das universidades mais ligadas a estas «lides», Évora e não me arrependo! Não digo que adorava ser praxada na altura, dependia dos dias e de quem nos acompanhava, mas no final é compensa sempre :)
Janny disse…
eu posso dizer que fui praxada e praxei numa das universidades mais ligadas a estas «lides», Évora e não me arrependo! Não digo que adorava ser praxada na altura, dependia dos dias e de quem nos acompanhava, mas no final é compensa sempre :)
Kika Lover disse…
Eu concordo contigo em algumas coisas, por exemplo, a verdade é que quem nao é praxado vai se sentir incluido, é um facto, por mais que tentamos mudar isso, sempre vao haver coisas as quais eles nao vao participar, á partida um anti-praxe tem de estar preparado para isso porque existem muitas atividades praxisticas ao longo do ano e isso impedira que um caloiro ou praxistica passe tempo com um que nao pertença à praxe. Depois a verdade é que um caloiro é realmente um ser inferior, na minha fac eramos considerados uns animais, umas bestas e tinhamos de trata-los como verdadeiros senhores da alta sociedade, irrita muito,sermos criticados e nao podermos dar troco, é ouvir e calar. A praxe tem muitos contras, mas ninguem ve o bom daquilo...eu falo por mim eu era tao insegura, estava sempre metida na minha caixinha, passava despercebida, nao aguentava que me chamassem nomes e bla bla...a praxe mudou-me como pessoa. Tornou-me mais forte, paciente e tolorante. Aproximou-me de pessoas que talvez nao me iria aproximar de livre e espontanea vontade (sao de outros cursos) e o melhor é que fazemos coisas fora do comum, uma verdadeira aventura. Vale a pena andar na praxe, vale mesmo, no fim percebemos isso e deixa saudades alguns momentos :)
A minha fac tem praxe muito psicologica e eu considero isso das piores praxes e posso dizer que tenho em orgulho de ter passado :)
Sigo*
V. disse…
Concordo contigo em muita coisa, mas depende das universidades em que se anda.
Na Universidade em que fui praxada os problemas que existiram (pelo menos na minha turma) não se deveram a nada relacionado com a praxe e sempre que havia jantares de curso todos estavam convidados a estar e participar. Mas na Universidade que frequento agora a praxe é a pior de todas as que já tive conhecimento e aí sim as discussões entre os elementos da mesma turma devem-se todas a problemas que acontecem dentro da praxe e que são ridículos porque chega-se a tratar de quem tem mais ou menos poder numa hierarquia que em nada serve.
Porque respeito não se adquire aos berros/gritos com ninguém nem a humilhar os outros, e isso ainda há muita gente que não percebeu, com muita pena minha! *
Ce Morena disse…
No meu blog tenho um post sobre o mesmo assunto e concordo contigo. Prazes não me convencem. :x
Daisy D. disse…
Na minha faculdade não é preciso faltar as aulas para irem! Aliás há algumas praxes que foram marcadas e eu tinha aulas obrigatórias e quando me perguntaram pq é que nao fui a praxe ( pois sabiam que eu gostava de ir) eu respondi: tinha prática da cadeira X, não podia ir. E responderam: ahh pois é, havia pessoas com práticas! Pronto então é logico que quem tivesse não viesse.
Isso da tua turma ficar dividida não foi culpa da praxe, provavelmente as pessoas que te excluiram por seres anti-praxe tambem nao querias que fossem tuas amigas nao e? Eu pelo menos nao queria. Tenho uma amiga minha que é anti-praxe e visto que aqui a maioria é a favor da praxe ela até poderia ser excluída mas não foi e sabes porque? Porque os nossos doutores dão o exemplo e também nunca a exluiram. Ela até é muito social, tem bue amigos a favor da praxe e até tem padrinho e madrinha! Simplesmente não vai às practicas da praxe e toda a gente aceita isso. E ao jantares de curso e convivios também podes parecer sempre, há varios anti-praxe que vão e ninguem vai lá obrigá-los a sair.
Quanto a tratar com respeito, é assm para mim não faz confusão nenhuma porque eu também tenho de tratar com respeito muitos professores que não sabem um cú do que estão a dizer e não percebem 0 de educação e de ensinar, professores que te tratam como um burro ou abaixo de cão só pq és aluno. Porque não tratar com respeito alunos mais velhos da faculdade? No fundo acho que isso é uma preparação e deve ser levado com uma brincadeira. Dentro da praxe tenho doutoras que me dizem: a calira é burra? de 4 já! E as mesmas doutoras fora da praxe vem ter comigo, dão-me abraços e tiram fotos comigo, chamam-me fofinha e dizem: ai eu sei que sou muito má na praxe mas eu gosto muito de vocês! Sem a praxe não conhecia metade das pessoas maravilhosas que conheço, não tinha conhecido as amigas com as quais estou todos os dias e não conhecia este pessoal mais velho ( 1 ou 2 anos) que agora na época de exames oferecem-me ajuda, perguntam-me como vão os exames, emprestam-me apontamentos, aconselham-me e etc.
Isto sim é praxe e sei que sem ela nós caloiros de certeza que não conheceriamos este pessoal mais velho.
Agora que as praxes deviams er regularizadas e fiscalizadas isso deviam.